Banner
Você está aqui: Home

Defensoria e Sejus iniciam mutirão carcerário na próxima semana

E-mail Imprimir

A decisão foi tomada na manhã desta segunda-feira, durante reunião com o Governador, secretariado e instituições que compõem o Sistema de JustiçaA Defensoria Pública de Rondônia (DPE-RO), em parceria com a Secretaria de Justiça do Estado, inicia na próxima semana mutirão carcerário para analisar os Processos Administrativos Disciplinares (PADs) represados no sistema prisional de Porto Velho. O Defensor Público-Geral do Estado, Marcus Edson de Lima, informou que serão convocados defensores públicos para atuarem nessa missão.

A decisão foi tomada na manhã desta segunda-feira,23, durante  reunião  convocada pelo governador Confúcio Moura, no Palácio Rio Madeira, com a participação de todo o  secretariado de Estado, da Defensoria Pública, do  Ministério Público, da Assembleia  Legislativa e do  Tribunal de Contas do Estado.

Na reunião, após fazer um apanhado de como se encontra a situação do sistema prisional no estado, o Governador conclamou a união de todos para solucionar o problema. “Não vamos resolver essa questão apenas com a construção de mais presídios”, sentenciou. De forma categórica, ele afirmou que a responsabilidade não é exclusivamente do Governo, é preciso que cada um assuma o seu papel – Defensoria, Ministério Público, Judiciário, Legislativo. “Estou aqui para, juntos, encontrarmos uma solução concreta e urgente”.

Defensoria sem Fronteira

Marcus Edson explicou na reunião que será executado também em Rondônia o projeto Defensoria sem Fronteira no mês de março ou abril. O projeto é idealizado pelo Colégio Nacional dos Defensores  Públicos- Gerais (Condege). Devido à urgência, essa ação será desencadeada primeiramente no Amazonas e, posteriormente, a equipe vem para Rondônia.

Esta semana, o Colegiado assina convênio com o Ministério da Justiça para efetivação dessa iniciativa, segundo informou o Defensor Público-Geral da DPE, que é também Vice-Presidente do Condege.

O Defensoria sem Fronteira contará com 20 defensores públicos, que atuarão junto com uma equipe multidisciplinar. Marcus Edson explicou que não será observado meramente a pena, mas também questões envolvendo paternidade, família e saúde. Ele destacou ainda que o projeto será permanente, com atuação em todos os estados.

Apoio

O Governador Confúcio Moura se comprometeu a apoiar a Defensoria Pública de forma mais efetiva em um momento  posterior, após resolver a questão do sistema prisional. “Ele garantiu colaborar com a nossa instituição para expandirmos a atuação nessa área”, declarou. Atualmente, a DPE conta com apenas dois defensores públicos  para operar  na execução penal.

Texto/fotos: Emília Araújo

Joomlart