Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Com o apoio da DPE – RO, comissão da Anadep fecha texto final das propostas do novo Código Penal

Publicado em:

Defensor público Eduardo Weymar (D) durante reunião da comissão na Anadep

Defensor público Eduardo Weymar (D)durante reunião da comissão na Anadep

A Comissão instalada pela Associação Nacional dos Defensores Públicos (Anadep) para análise e propositura de emendas ao projeto do novo Código Penal se reuniu esta semana, na sede da Anadep/Brasília, para debater as propostas apresentadas por defensores de todo o Brasil e elaborar o texto final do relatório que será apresentado ao Senado no início de outubro. Dez defensores públicos integram a comissão, entre eles, Eduardo Weymar, que participou da reunião; e George Barreto – ambos de Rondônia.

Weymar considerou o debate ocorrido na Anadep positivo. Ele destacou as propostas apresentadas pelos defensores, considerando-as de grande relevância para melhoria do novo Código Penal, especialmente sob o ponto de vista da defesa.

 “No geral, o Código está muito bom e traz significativas alterações”, afirmou o defensor, pontuando os diversos entendimentos doutrinários e jurisprudenciais que já vinham sendo aplicados no dia a dia forense, como por exemplo, o princípio da insignificância, que passa a ter força de lei com a aprovação do estatuto penal.

Defensores públicos Edgar Alamar (DPE-PA), Rafael Raphaelli (DPE-RS), Daniel Nicory (DPE-BA), Eduardo Weymar (DPE-RO) e Adriano Leitinho (DPE-CE)

Defensores públicos Edgar Alamar (DPE-PA), Rafael Raphaelli (DPE-RS), Daniel Nicory (DPE-BA), Eduardo Weymar (DPE-RO) e Adriano Leitinho (DPE-CE)

Outra inovação relevante, de acordo com ele, é a tentativa de codificação da legislação penal esparsa, de forma a facilitar o trabalho do operador do direito, reunindo toda a matéria em um único diploma legal.

   

Matéria produzida pela Ascom – DPE, com apoio da Ascom – Anadep


Compartilhar