Pular para conteúdo principal

Posto DPE/zona leste realiza conciliação às sextas-feiras

Publicado em:

Maria Marques (óculos) e Eliângela, após conciliação com o defensor público, saem satisfeita com o resultado

Maria Marques (óculos) e Eliângela, após conciliação com o defensor público, saem satisfeita com o resultado

A conciliação, promovida pelo posto de atendimento da Defensoria Publica na zona leste de Porto Velho, foi a alternativa encontrada por  Maria Marques de Oliveira e Eliângela Pinheiro para resolver a desavença relacionada  ao pagamento do aluguel atrasado e a desocupação do imóvel, cuja  rivalidade entre ambas vinha se arrastando a alguns meses. A desavença foi solucionada em menos de uma hora, sem a necessidade de intervenção judicial.

O trabalho de conciliação no posto da DPE da zona leste é realizado toda sexta-feira, das 7:30 às 13:30. É atendida uma média de 15 pessoas ao dia.  Geralmente, a demanda envolve  cobranças, divisão de patrimônio, discórdia e dívidas.

O defensor público Leonardo Werneck, que responde pelo posto de atendimento, afirmou que todos os casos de fácil resolução e que tem direitos disponíveis há  possibilidade de promover a conciliação. Porém, segundo ele, é preciso que os envolvidos estejam predispostos ao acordo, do contrário, não tem como concretizar o trabalho.

A conciliação  pode ser usada como instrumento para solucionar problemas relacionados a pensão alimentícia, divórcio, desapropriação, inventário, partilha, guarda de menores, acidentes de trânsito, dívidas em bancos e financeiras e problemas de condomínio,entre outros.

“Nossa atribuição não é  convencer as pessoas envolvidas no conflito, mas atuar como facilitador para que elas cheguem a um denominador comum que beneficie as duas partes para que saiam satisfeitas com o resultado”, declarou o defensor público.

Leonardo Werneck esclareceu que esse é o primeiro passo para que a Defensoria Pública passe a atuar ativamente com a conciliação, reduzindo o grande número de processos que assoberba a Justiça. “Todos ganham com a conciliação, tanto a Justiça quanto o assistido, que não precisa esperar anos até que o seu processo seja julgado “, observou.

Mediação

Além desse trabalho de conciliação, a Defensoria Pública vem investindo também em mediação, que é um instrumento jurídico diferente da conciliação. O defensor público-geral o Estado, Antonio Fontoura Coimbra, afirmou que está adequando paulatinamente a instituição aos grandes centros que já atuam com a mediação. Para tanto, ele enviou o defensor Marcus Edson de Lima, coordenador do Núcleo de Ações Coletivas (NAC), para participar do curso sobre mediação, realizado em junho na Espanha.

Mediação: o defensor geral quer adequar paulatinamente a instituição a essa forma de trabalho

Mediação: o defensor geral quer adequar paulatinamente a instituição a essa forma de trabalho

Na mediação, o defensor público interfere nas discussões, facilitando o diálogo entre os envolvidos para que encontrem uma solução para o conflito. A mediação, o processo pode ser mais demorado e necessariamente pode terminar com um acordo; já na conciliação, após intenso debate, as partes saem com o problema resolvido.

Para atuar com ambos – conciliação e mediação – é preciso ter uma estrutura mínima: sala especial, mesa redonda, psicólogo e assistente social, já muitos casos, segundo Leonardo Werneck ultrapassa  a área jurídica.

 


Compartilhar

Skip to content