Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Condege terá comissão de defesa das prerrogativas institucionais

Publicado em:

Defensores público-gerais de diversos estados definiram em dezembro, durante a XI Reunião Ordinária do Colégio Nacional de Defensores Públicos Gerais (Condege), a criação da Comissão Permanente de Defesa das Prerrogativas Institucionais.

“É importante termos uma comissão permanente para atuar ativamente e preventivamente na defesa das prerrogativas institucionais”, afirmou o defensor público-geral do Espírito Santo, Gilmar Alves Batista Batista, autor da proposta.

A comissão será formada pelas defensorias do Distrito Federal, Alagoas e Pernambuco.  Além da comissão, o colegiado também reforçou a criação do Conselho Nacional da Defensoria Pública.

Ao longo do encontro, representantes de vários estados relataram episódios de cerceamento ao trabalho dos defensores públicos.

A presidente do Condege, Andrea Coelho, informou que no Paraná, onde o projeto Defensoria Sem Fronteiras foi implantado recentemente, duas propostas de autoria do governo estadual (uma delas de corte orçamentário) têm por objetivo reduzir a autonomia institucional.

A Defensoria Pública de Santa Catarina também relatou episódios de violação à autonomia institucional. A Instituição é alvo de onze ações, inclusive criminais, todas por conta do exercício da administração institucional e que visam tolher a atuação da Defensoria Pública catarinense. Razão pela qual, o colegiado aprovou, por unanimidade, nota de apoio ao defensor geral daquele Estado.

Os defensores gerais deliberaram ainda sobre a criação de um espaço compartilhado das defensorias estaduais, para atuação junto os tribunais superiores. A ideia é que as defensorias dos Estados e do Distrito Federal, que já atuam perante os tribunais superiores, forneçam subsídios para análise do Condege.

Fonte: DPE/RJ


Compartilhar