Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Defensoria intervém e juízo adia reintegração de posse do Universitário

Publicado em:

Mediante os argumentos apresentados pela Defensoria Pública do Estado (DPE-RO), por meio do Núcleo  Especializado em Ações Coletivas (NEAC), o juízo  da 7ª Vara da Fazenda Pública suspendeu por 30 dias, a contar do dia 02 deste mês, o cumprimento do mandado de reintegração de posse dos ocupantes do Bairro Universitário, localizado na zona leste de Porto Velho.

A Defensoria Pública  informou ao juízo que já está adotando as providências para que as famílias sejam incluídas em algum projeto de regularização fundiária, assim como adotando as providências visando a inserção  em programas sociais dos ocupantes que se enquadram nas  regras dos respectivos benefícios.

A expedição do mandato de reintegração se deu  em 16 de janeiro. Desde essa data as famílias iniciaram peregrinação pelos órgãos do Estado e do Município  pleiteando apoio do poder público. Por fim, recorreram à Defensoria Pública no final de janeiro.

São 320 famílias vivendo na área, dentre as quais se encontram idosos, crianças e deficientes. Na petição, a defensora pública Luiziana Teles, coordenadora do NAC, enfatiza que as famílias em questão são de baixa renda, tendo sua vida estruturada na área que está sendo reintegrada, inclusive com casas e outras benfeitorias.

Os ocupantes recorreram à Defensoria Pública para pedir apoio jurídico

Os ocupantes recorreram à Defensoria Pública para pedir apoio jurídico

A defensora pública argumenta ainda que a retirada das famílias do local sem que seja oferecido qualquer alternativa habitacional viola o direito constitucional de moradia, uma vez que levará as famílias a uma situação extrema de precariedade pela falta de elementos básicos de subsistência.

O juiz  afirmou em sua decisão que os ocupantes sabiam da precariedade de sua situação, portanto não podem alegar  surpresa com o cumprimento da decisão, uma vez que durante sete anos fizeram uso da ampla defesa e dos recursos a ela inerentes, inclusive provocando corte superior na apreciação do caso.


Compartilhar