Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Defensoria participa de reunião de combate à violência no campo

Publicado em:

Os defensores públicos agrários João Verde e Ilcemara Sesquim representam a DPE na reunião

Os defensores públicos agrários João Verde e Ilcemara Sesquim representam a DPE na reunião

Começou na terça-feira, 28, e encerra nesta quinta-feira,30, na sede do Incra em Porto velho, a 823ª reunião da Comissão Nacional de Combate à Violência no Campo, com o ouvidor agrário nacional, desembargador Gercino José da Silva. A reunião conta com a participação da Defensoria Pública do Estado (DPE-RO), representada pelos defensores públicos agrário João Verde e lcemara Sesquim Lopes.

A pauta é longa e envolve questões agrárias diversas, entre elas a ocupação da fazenda Boi Vermelho, no distrito Extremo, o reassentamento das famílias de trabalhadores rurais vinculadas à Associação dos Produtores Rurais da Comunidade Curupira, em Campo Novo de Rondônia, o conflito agrário na fazenda Paredão, no município de Machadinho do Oeste.

A programação inclui ainda a destinação da fazenda Guerin, situada no município de Buritis, cuja área é pleiteada pelos trabalhadores rurais sem-terras do acampamento Rio Pardo, e análise do conflito envolvendo trabalhadores rurais sem-terras do acampamento Paulo Freire 2, localizado nos municípios de Nova Brasilândia e Alvorada do Oeste.

Boi Vermelho

Nesta quarta-feira pela manhã foi analisada a situação dos ocupantes da fazenda Boi Vermelho. Há um mês, as famílias foram informadas de que a fazenda estava sendo penhorada em processo que tramita na Justiça do Trabalho do Mato Grosso. Segundo consta, a propriedade pertence a uma transportadora daquele estado, que decretou falência e não pagou os direitos trabalhistas dos empregados.

O sindicato que representa os trabalhadores acionou a Justiça do Trabalho solicitando a penhora de todos os bens pertencentes à transportadora. A empresa tem três fazendas em Extrema, incluindo a Boi Vermelho. Por ser uma ocupação recente, o Incra ainda não fez o levantamento detalhado da área. São cerca de 50 famílias vivendo na propriedade.


Compartilhar