Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Audiência pública sobre a redução da maioridade penal dia 15

Publicado em:

Na semana passada, a Defensoria Pública, juntamente com os órgãos e entidades que atuam na defesa dos direitos da criança e do adolescente realizaram ato na Praça das Três Caixas d'Água.

Na semana passada, a Defensoria Pública, juntamente com os órgãos e entidades que atuam na defesa dos direitos da criança e do adolescente realizaram ato na Praça das Três Caixas d’Água.

A redução da idade penal estará em pauta no próximo dia 15/05 durante audiência pública a ser realizada no auditório da OAB/RO, com a participação da Defensoria Pública do Estado (DPE-RO), Conselhos dos Direitos da Criança e do Adolescente, Ministério Público, OAB, sociedade civil, Judiciário, parlamentares estaduais e federais.

Semana passada, a Defensoria Pública participou da campanha nacional “Amanhecer contra a Redução da Idade Penal”, evento promovido em Rondônia pelo Conedca. A campanha contou com a participação de representantes de diversos órgãos ligados aos direitos da criança e do adolescente. O grupo se reuniu a partir das 5 horas na Praça das Três Caixas D’Água vestidos de branco e portando cartazes.

O defensor público Fábio Roberto de Oliveira Santos, que participou do ato, enfatizou a importância do envolvimento da Defensoria Pública nas discussões. Para ele, é por meio de debates que a instituição poderá apresentar uma visão jurídica e sociológica acerca dos malefícios da redução da maioridade penal (Proposta de Emenda Constitucional).

O membro da DPE afirmou ainda que a discussão jurídica sobre a proposta de emenda à Constituição é polêmica e controvertida no que tange a extensão da cláusula pétrea prevista na Constituição. “No entanto, colocamos em pauta alguns fatores práticos em que o senso comum não cosegue alcançar, de que a Justiça da infância é mais célere do que a Justiça penal e que o adolescente pode ser punido por mero indício de autoria”.

Outra questão abordada  durante o evento na Praça das Três Caixas D’ Àgua, e que será levada também para ser debatida na audiência pública, segundo o Fábio Roberto,  é  questão dos atos infracionais cometidos por adolescentes. De acordo com o membro da DPE, a maior parte está relacionada a crimes contra o patrimônio, que normalmente não implica em regime fechado, quando ocorre uma condenação.

“Precisamos levar aos nossos parlamentares e cidadãos nossa experiência no sistema de Justiça da infância e adolescência, da ineficiência do sistema penitenciário e da pseudo-ressocialização”, pontuou.

O defensor público esclareceu que é função institucional da Defensoria Pública trabalhar a questão da redução da idade penal, tendo em vista que a Lei Complementar  nº 80 afirma que a Educação em Direito é uma atribuição institucional.” Por isso é fundamental a participação dos membros da DPE  e da sociedade civil na audiência pública do dia 15”.


Compartilhar