Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Continua impasse em relação à ocupação das casas em Nova Mutum

Publicado em:

A  defensora Luziana Teles participa de reunião com os ocupantes e o prefeito Mauro Nazif

A defensora Luziana Teles participa de reunião com os ocupantes e o prefeito Mauro Nazif

As famílias que ocupam 564 casas na Vila Mutum, de um total de 600 construídas pela Energia Sustentável do Brasil (ESBR) e pela Camargo Correia, em Jaci-Paraná, distrito de Porto Velho, continuam na área a espera de uma decisão por parte do Município e da construtora.

O prazo concedido pela Justiça para que a situação fosse solucionada encerrou no último dia 18, mas até agora a construtora não se posicionou se doará os imóveis ao Município, como foi acordado no licenciamento ambiental na época em que a hidrelétrica de Jirau estava em construção.

No início deste mês, a Camargo Correia pediu a reintegração de posse,  porém a Defensoria Pública do Estado (DPE-RO), por meio do Núcleo Especializado em Ações Coletivas, e o Ministério Público Federal (MPF) acionaram a Justiça para que as famílias permanecessem no local até que a construtora e a Prefeitura chegassem a um consenso, o que não ocorreu.

Os ocupantes alegam que as casas fazem parte da compensação social, por isso têm direito de apoderar-se do imóvel devido às perdas que tiveram com a construção do empreendimento. A intenção do Município é repassar as casas a essas famílias, após fazer levantamento para averiguar àquelas que são de fato necessitadas.

As casas foram construídas para atender os técnicos que vieram a Rondônia trabalhar na construção da hidrelétrica e desde que encerrou a obra boa parte dos imóveis estava desocupado.


Compartilhar