Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Durante audiência, DPE questiona forma de atuação da Eletrobras

Publicado em:

A Defensoria Pública do Estado (DPE-RO) participou na sexta-feira,29, de audiência pública promovida pelo Legislativo estadual com o objetivo de discutir soluções para os problemas enfrentados pela população em relação aos altos valores cobrados pela Eletrobras/Ceron em Rondônia. A audiência foi requerida pelo deputado federal Expedito Netto (PSDB).

Durante o evento, a Defensoria Pública sugeriu à direção da Eletrobras fazer um termo de cooperação com a União das Escolas Superiores de Rondônia para realizar pericia de forma mais rápida. O presidente da Eletrobrás, Luís Marcelo, disse que o laboratório com a faculdade é uma ideia uma vez que o Estado já conta com profissionais capacitados para serviço. Porém, ele assegurou que a empresa contratada para realizar o trabalho é idônea e merece credibilidade.

Sobre a formação da tarifa de energia elétrica, o  gerente financeiro da Eletrobrás, Júlio César, detalhou a parcela A (compra, encargos, transporte e conexões) e a parcela B (custos operacionais, remuneração de capital e quota de depreciação), esclarecendo que a tarifa de Rondônia é de 15.0% ICMS, 2,94% PIS/CONFINS, 1,29%Transporte, 19,11% Edro e 44,48% Energia.

O diretor presidente da Eletrobrás Distribuição Rondônia, Luiz Marcelo Reis, assegurou que todos pagam por esse desvio e que eles contam com apoio da população nas denúncias. Segundo ele, a meta para os próximos anos é que a perda de energia caia de 50% para 11%.

DPE-Ação

Na audiência, a Defensoria Pública explanou sobre a ação civil pública que ajuizou em 2012 para garantir que a Eletrobras acatasse as determinações da Resolução 414/2010 da Agência Nacional Energia Elétrica (Aneel) com relação a irregularidades encontradas nos medidores de energia elétrica.

A ação foi baseada em procedimentos inadequados nos casos de resgates de dívidas provocadas por irregularidades constatadas nos equipamentos. A empresa estaria arbitrando valores de forma unilateral e retroagindo há mais de três anos para a cobrança de débitos. Ou seja, estava fixando uma dívida unililateralmente, antes de o equipamento passar por uma perícia.

Nesse mesmo ano a Justiça concedeu liminar proibindo a Eletrobras de interromper o fornecimento de energia elétrica na residência dos consumidores com dívidas passadas oriundas de perícia realizada nos relógios unilateralmente, sem que o cliente tenha acompanhado esse trabalho.

A Justiça proibiu ainda que fossem realizadas leituras nos medidores repetidas vezes pela média mensal, resultando em valores acima do percentual que vinha sendo pago pelo cliente. Como a Justiça acatou apenas parte da ação, a Defensoria Pública recorreu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ).

À época, a Eletrobras informou à DPE que foram constatadas 28 mil casos de domicílios com irregularidades nos medidores em Porto Velho. A Eletrobras já foi alvo também de ações individuais em que os consumidores reclamavam contra as medidas adotadas pela empresa no processo de faturamento.

Além das autoridades presentes, a mesa dos trabalhos foi composta pelo presidente da Assembleia Legislativa, deputado Maurão de Carvalho, Deputado Alex Redano (SD); deputado Aélcio da TV (PP); deputado federal Expedito Netto; deputado federal (bancada de Rondônia); deputado federal Carlos Andrade (PHS), (bancada de Roraima); Luís Marcelo Reis de Carvalho, diretor presidente da Eletrobrás e representante do Ministério das Minas e Energia; Gerardo Martins de Lima, presidente da Emdur e representante da prefeitura de Porto Velho; Daniela Nicolai de Oliveira, promotora de justiça e representante do Ministério Público de Rondônia, e Marcus Edson de Lima, subdefensor público-geral da Defensoria Pública do Estado de Rondônia.

Texto: Ascom DPE/ Decom/ALE
Fotos: José Hilde


Compartilhar