Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Dirigentes da Apac querem parceria da DPE para instalação da entidade

Publicado em:

O grupo foi recebido pelo defensor público-geral do Estado, Marcus Edson de Lima

O grupo foi recebido pelo defensor público-geral do Estado, Marcus Edson de Lima

A cidade de Porto Velho poderá ser beneficiada com a primeira Associação de Proteção e Assistência aos Condenados (Apac)) da Região Norte que adotará integralmente o método adotado pela entidade, criada há 30 anos em São Paulo.

Para tanto, no próximo dia 06 de agosto acontecerá audiência pública na Assembleia Legislativa para apresentar a metodologia que a entidade utiliza na recuperação de apenados, e sensibilizar a sociedade para ser voluntários da Apac.

O evento contará com a participação do deputado estadual Durval Ângelo, vice-presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia de Minas Gerais. Ele mostrará como foi elaborado o projeto para captação de recursos da Apac – Minas.
Estará presente ainda o presidente da nacional da Fraternidade Brasileira de Assistência ao Condenado (Fbac)

O método da Apac já vem sendo utilizado em seis estados – Espírito Santo, Maranhão, Pará, Ceará, Paraná, Minas Gerais e agora em Porto Velho. Só em Minas Gerais são 33 unidades.

Esta semana, os organizadores da Apac- Porto Velho –  Reginethe Medeiros Tavernard (presidente), Elias Rodrigues (vice-presidente) e  Sidney Rivero Tavernard ( 1º secretario) –  estiveram na Defensoria Pública para pedir apoio da instituição na instalação da entidade.

O defensor público-geral do Estado, Marcus Edson de Lima,  colocou- se à disposição e garantiu apoiar no que for possível. Ele lembrou que teve oportunidade de conhecer esse método durante encontro dos membros do Colégio Nacional dos Defensores Públicos-Gerais (Condege), ocorrido em Minas Gerais no primeiro semestre deste ano.

Os representantes da entidade explicaram que estão escolhendo um terreno de tamanho considerável para construir o prédio que abrigará a Apac- Porto Velho. O método de recuperação dos presos inclui a parte espiritual, educação, artesanato, trabalho em plantação de hortifrutigranjeiro, criação de suínos, caprinos e aves.

A produção, segundo os promotores, será repassada aos comerciantes por meio de parcerias. A renda, resultante da venda, será entregue à família do apenado.

Serão disponibilizadas 200 vagas. A segurança do local ficará a cargo dos próprios recuperando. São os presos também que cuidarão da limpeza. Os organizadores garantem que as regras são rígidas e quem não cumprir retornará ao presídio, perdendo os benefícios.


Compartilhar