Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Defensoria pede que processo do bairro Universitário seja delegado a um juízo fundiário

Publicado em:

A reintegração de posse está marcada para segunda-feira, 10

A reintegração de posse está marcada para segunda-feira, 10

A Defensoria Pública do Estado (DPE-RO) ajuizou ação no Pleno do Tribunal de Justiça em favor dos ocupantes do bairro Universitário, localizado na zona leste da Capital, solicitando para que o processo de reintegração de posse, marcada para a segunda,10, seja  suspenso de imediato, e que o pleito seja delegado à competência de um juízo fundiário.

A DPE alega que somente o juízo fundiário terá condições de examinar a peça, realizar reuniões com as partes envolvidas e analisar todas as possibilidades de negociações, evitando conflitos, a exemplo do que ocorreu em 25 de junho passado durante a reintegração forçada do Bairro Dilma Rousseff, cujo desfecho foi amplamente divulgado pela mídia.

Na petição, a Defensoria defende ainda que existem medidas preventivas  que poderiam   ter sido adotadas antes do cumprimento forçado, e se mesmo assim não obtivesse êxito, existem diversas orientações a serem obervadas no cumprimento de mandados judiciais  de reintegração de posse coletiva, a fim de preservar os direitos sociais dos ocupantes.

Em análise pormenorizada do processo, a Defensoria Pública constatou que na condução do cumprimento da reintegração não foram esgotados todos os meios de solução  pacífica, “ portanto o cumprimento forçado da ordem de desocupação é extremamente  precipitado”.

Esta é a segunda vez em que a Defensoria Pública intervém no processo. No início do ano, o Núcleo Especializado em Ações Coletivas (NEAC) da instituição conseguiu, por meio da Justiça, o adiamento do mandado de reintegração de posse por um prazo de 30 dias.

Os ocupantes, junto com o Município e o Estado, recorreram à DPE para tentar encontrar uma solução jurídica para a determinação judicial

Os ocupantes, junto com o Município e o Estado, recorreram à DPE para tentar encontrar uma solução jurídica para a determinação judicial

São 350 famílias envolvidas na questão. Elas ocupam 05 hectares de uma total de 10. Os lotes medem 10X25. A área já tem infraestrutura de energia e ruas encascalhadas.

Empenho

O defensor público Guilherme Ornelas  destacou o empenho do Governo do Estado, através da Seagri, em ampliar  as negociações  e minimizar os danos à população que se encontra naquela área. Ele lembrou ainda que o trabalho do Município também deve ser enfatizado.

 


Compartilhar