Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Mais de 50% dos atendimentos no “Maria da Penha” resultaram em acordo

Publicado em:

As mulheres são atendidas por uma equipe multidisciplinar

As mulheres são atendidas por uma equipe multidisciplinar

A equipe multidisciplinar do Núcleo Maria da Penha da Defensoria Pública do Estado de Rondônia (DPE-RO) já realizou 1.320 procedimentos entre os meses de janeiro a setembro deste ano, beneficiando mais de 600 mulheres vitimas de violência doméstica.

Desses de procedimentos, 23% foram na área criminal e 77% na área cível, que envolve alimentos, dissolução da união estável, partilha de bens, guarda, regulamentação de visitas e divórcio. Os dados mostram ainda que 53% dos atendimentos resultaram em acordos e 47% em ações judiciais litigiosas.

As informações sobre as ações promovidas pela instituição foram apresentadas pela DPE na segunda-feira, 19, durante audiência pública sobre a “saúde e violência doméstica contra a mulher”, realizada na Assembleia Legislativa de Rondônia (ALE).

O defensor público Guilherme Ornelas, coordenador do Núcleo Maria da Penha, afirmou que essas mulheres chegam à DPE com sérios problemas devido às agressões físicas e psicológicas sofridas ao longo do tempo, por isso necessitam de atendimento diferenciado.

Ainda de acordo com o defensor público, seguindo o que preconiza o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), a DPE está, dentro da medida do possível, atuando com a Justiça restaurativa, que prevê a resolução do conflito de forma definitiva, por meio de mediação, com a participação das partes.

O defensor público Guilherme Ornelas na audiência pública sobre violência contra a mulher

O defensor público Guilherme Ornelas na audiência pública sobre violência contra a mulher

“Elas são atendidas, e dependendo da situação, encaminhamos aos órgãos ou entidades competentes para que sejam adotados os devidos procedimentos legais”, declarou.

A Defensoria Pública tem a missão Constitucional de garantir a defesa dos hipossuficientes, ou seja, das pessoas vulneráveis. “E as mulheres vítimas de violência estão inseridas nesse contexto”, afirmou o defensor público Guilherme Ornelas, coordenador do Núcleo Maria da Penha.


Compartilhar