Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Guajará: DPE reúne jornalistas para mediar forma de noticiar informação sobre suicídio

Publicado em:

Vitor Carvalho, defensor público, conversa com os jornalistas

Vitor Carvalho, defensor público, conversa com os jornalistas

A forma como os meios de comunicação de Guajará-Mirim vinham noticiando os suicídios ocorridos na localidade ao longo deste ano, levou o Núcleo da Defensoria Pública do Estado (DPE-RO) naquele município a reunir os veículos com o objetivo de conscientizar para  uma nova abordagem desse assunto na mídia.

O primeiro encontro ocorreu semana passada durante o Fórum Institucional para Aprimoramento dos Meios de Comunicação de Guajará-Mirim (Fico!) com a participação de cinco veículos. Guajará-Mirim conta com 12 empresas de comunicação, incluindo televisão, rádios e sites de notícias.  O trabalho de mediação está sendo desenvolvido em parceria com o grupo “Em Defesa da Vida”.

O defensor público Vitor Carvalho Miranda, que atua naquela comarca, afirmou que a decisão de iniciar esse trabalho extrajudicial surgiu após constatar o aumento do número de suicídios. “Acreditamos que a maneira como a informação é noticiada, pode incentivar, de forma indireta, para que as pessoas que já têm algum tipo de tendência ou predisposição a praticarem esse ato de desespero”, declarou o defensor.

Vitor Carvalho afirmou que essa ação de conscientização foi bem aceita pelos meios de comunicação que garantiram rever a metodologia de trabalho. “Na próxima reunião, esperamos a participação de todas as empresas”, disse.

De janeiro até agora, foram 17 suicídios ocorridos em Guajará-Mirim na faixa-etária que vai do adolescente ao jovem de até 30/35 anos. Segundo o defensor publico, a alegação de endividamento tem sido recorrente e estaria contribuindo para que essas pessoas decidam acabar com a própria vida.


Compartilhar