Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Nota Pública em defesa da Defensoria Pública de São Paulo

Publicado em:

O Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais emite nota em defesa da Defensoria Pública de SP e do modelo público de assistência jurídica à população carente

O Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais (CONDEGE) ratifica integralmente a Nota Pública – clique aqui – divulgada na data de ontem (29/12) pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo a respeito do convênio que aquela instituição mantém com a Ordem dos Advogados do Brasil, Seção São Paulo, bem como repudia a nova nota pública divulgada nesta data (30/12) pela OAB/SP e a

Nota do Colégio de Presidentes de Seccionais e do Conselho Federal da OAB, especialmente para reafirmar o modelo constitucional de assistência jurídica gratuita, que atribuiu à Defensoria Pública, como instituição permanente e essencial à função jurisdicional do Estado, expressão e instrumento do regime democrático, a orientação jurídica, a promoção dos direitos humanos e a defesa, em todos os graus, judicial e extrajudicial, dos direitos individuais e coletivos, de forma integral e gratuita, aos necessitados (artigo 134 da Constituição Federal).

Referido modelo, estabelecido de forma inconteste desde a Constituição Federal de 1988, foi reforçado pela Emenda Constitucional nº 80/2014, que estabeleceu o prazo de 8 anos para que haja a presença de Defensores Públicos em todas as comarcas do país, além de reafirmar a autonomia da instituição.

Bem por isso, o Supremo Tribunal Federal, como guardião da Constituição, por reiteradas decisões, confirmou que o atendimento jurídico à população carente deve ser feito pela Defensoria Pública, instituição autônoma e formada por membros com dedicação exclusiva, selecionados após concurso público, cabendo a ela gerir toda a política pública de assistência jurídica integral e gratuita aos necessitados, ainda que mediante a realização de convênios suplementares.

No caso do Estado de São Paulo, a Defensoria Pública, apesar de prevista desde 1988, foi criada apenas em 2006, após crescente mobilização feita por diversos setores da sociedade civil, inclusive a OAB. Dez anos depois, a Defensoria Pública de SP se tornou um paradigma para as demais Defensorias do país.

É importante destacar que a assistência jurídica gratuita e integral não se resume à judicialização de demandas, como em regra se dá nas indicações e nomeações de advogados dativos. Em razão de uma atribuição mais ampla que a atuação no Judiciário, Defensores Públicos possuem prerrogativas inerentes ao cargo público para, atuando de maneira institucional, mediante planejamento administrativo e intercâmbio de informações e teses jurídicas, promover educação em direitos, prestar atendimento interdisciplinar e, prioritariamente, buscar a solução extrajudicial dos litígios.

É certo que em todo o país, como no caso de São Paulo, a instituição ainda possui número insuficiente de Defensores Públicos para atender a imensa demanda, razão pela qual muitas Defensorias mantêm convênios com instituições de ensino e outras entidades, de modo a viabilizar a atuação suplementar de assistência judiciária por meio de advogados dativos.

Especificamente no Estado de São Paulo, onde houve um atraso de 18 anos na criação da Defensoria Pública, mantém-se convênio com a Ordem dos Advogados do Brasil,Seção São Paulo, para a assistência judiciária suplementar, enquanto acontece a necessária estruturação completa da instituição.

Sendo suplementar, a existência de tal convênio com a OAB/SP, como com qualquer outra entidade, não tem o condão de desvirtuar o modelo público imposto pela Constituição Federal para a prestação do serviço público de assistência jurídica à
população carente, o qual somente pode ser gerido pela Defensoria Pública, como já declarado pelo Supremo Tribunal Federal (ADI nº 4.163).

Assim, o Colégio Nacional dos Defensores Públicos-Gerais lamenta a postura de intransigência e de ataques infundados da direção da Secional Paulista da OAB, bem como se manifesta contrário à proposta da Diretoria da OAB Nacional e Colégio de
Presidentes de Seccionais de criar um modelo nacional que permita a atuação dos advogados dativos, em nítida afronta ao modelo previsto na Constituição Federal. Além disso, especialmente em um momento de crise no Brasil, o compromisso só
pode ser o de defesa da Constituição, em que os interesses públicos sejam sempre colocados acima de qualquer interesse corporativo.

Reitera-se, por fim, o convite para que esforços sejam engendrados com vistas à valorização da Defensoria Pública para que a instituição cumpra sua missão constitucional de prestar assistência jurídica integral à população mais pobre, garantindo os recursos orçamentários necessários para o desempenho de tal mister e, consequentemente, de fortalecimento do Estado Democrático de Direito.

Colégio Nacional de Defensores Públicos-Gerais


Compartilhar