Pular para conteúdo principal

População da zona sul recebe atendimento jurídico da DPE durante o TRT Comunidade

Publicado em:

Pelo menos 50 pessoas foram atendidas pela Defensoria Pública no sábado, 12, durante o mutirão TRT Comunidade, realizado na Escola Joaquim Vicente Rondon, na zona sul de Porto Velho, no horário das 8 às 13 horas. O evento contou com a participação de diversos órgãos e instituições que disponibilizam serviços gratuitos à população.

Maria de Jesus estava entre os assistidos que receberam orientação jurídica da Defensoria Pública. Ela pleiteia aposentadoria do marido por invalidez. O companheiro perdeu um olho há 5 anos, enquanto trabalhava em uma oficina de bicicletas em casa.  “Ele não consegue mais trabalhar porque o olho fica latejando, por esse motivo decidimos pedir a aposentadoria”, declarou. Maria já recorreu à Justiça, por meio da DPE, para fazer a cirurgia no olho do companheiro e aguarda decisão da Justiça.

Dona Neide Abadia Rosa também esteve na Defensoria Pública para receber instrução de como proceder para resolver uma pendenga com a operadora de cartão de crédito, que há cerca de três anos vem fazendo cobrança indevida por meio de fatura.

Ela afirmou que não utiliza mais o cartão, mesmo assim a operadora continua a enviar esporadicamente cobranças com valores que variam de R$70,00 a R$ 80,00. Dona Neide disse que já tentou resolver a situação por telefone diversas vezes. “Estou cansada de ligar e os atendentes afirmam que eu não serei mais importunada, mas quando menos espero chega a fatura”. 

Maria de Jesus pediu orientação sobre aposentadoria por invalidez

Maria de Jesus pediu orientação sobre aposentadoria por invalidez

Separado há seis anos da ex-mulher, Reginaldo da Silva Santos quer a guarda compartilhada do filho, que tem oito anos de idade. “Não consigo conviver com o meu filho por causa das atitudes da mãe dele”, disse. O assistido foi atendido pela defensora pública Luciana Castelo Branco, que orientou Reginaldo como proceder juridicamente para conseguir a guarda compartilhada.

A mãe do garoto, segundo ele, muda de cidade e de telefone, mas não avisa. A última vez que viu o filho foi no meio deste ano, quando a criança passou oito dias com o pai. “Tenho uma relação excelente com o meu filho e não quero perder esse vínculo”, destacou.

Além da defensora pública Luciana Castelo Branco, participaram da operação a assessora de defensor Silvania da Silva Pinto, servidor Daniel Souza Auler e a estagiária Karina Silva.

Dona Neide vem recebendo cobranças indevidas da operadora de cartão de crédito

Dona Neide vem recebendo cobranças indevidas da operadora de cartão de crédito

Reginaldo da Silva Santos quer a guarda compartilhada do filho

Reginaldo da Silva Santos quer a guarda compartilhada do filho

 


Compartilhar

Skip to content