Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Condege, Anadep, DPU e Depen/MJ buscam soluções para crise penitenciária

Publicado em:

Defensores Esaduais e Federais participam, durante a quarta-feira (18), de reunião com o Departamento Penitenciário (DEPEN), do Ministério da Justiça, sobre a crise no sistema penitenciário, que já contabilizou 115 mortos na primeira quinzena de 2017. O presidente da ANADEP, Joaquim Neto, participa dos trabalhos e compõe mesa junto com o presidente do Colégio dos Defensores Públicos Gerais (Condege), Ricardo Batistas, e outras autoridades.

Eles estão discutindo qual é a melhor forma para contornar a crise nos presídios brasileiros. O planejamento deve ser divulgado nos próximos dias, após o término dos trabalhos. A princípio, será montado uma força-tarefa de Defensores Públicos que vão avaliar as condições dos apenados nos presídios mais críticos.

O presidente da ANADEP considera essa busca de soluções benéfica para o sistema. “É essencial que a Defensoria Pública participe desse planejamento e atuação. Além de uma Instituição que preserva os Direitos Humanos e também defende as garantias fundamentais, a Defensoria é um órgão de execução penal e participa ativamente no Sistema de Justiça”, afirma.

Crise no Sistema Penitenciário

O ano começou com três grandes rebeliões que resultaram em 115 mortes. A primeira foi no Amazonas que deixou 56 mortos, a segunda em Roraima com 33 e a última no Rio Grande do Norte com 26.

Fonte: Anadep.
Fotos: Anadep.


Compartilhar