Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Núcleos da DPE-RO garantem defesa de assistidos na segunda instância

Publicado em:

O defensor público de entrância especial João Luis Sismeiro.

O defensor público de entrância especial João Luis Sismeiro.

Para impedir que erros e equívocos causem ou perpetuem situações de injustiça, como prisões de inocentes, e para proporcionar uma chance a mais para a garantia dos direitos dos assistidos, a Defensoria Pública de Rondônia (DPE-RO) mantém dois núcleos especializados que atuam efetivamente no Tribunal de Justiça (TJ-RO), ofertando o princípio do duplo grau de jurisdição aos assistidos pelo Estado. Os núcleos também contam com a interposição de processos, quando cabíveis, aos Tribunais Superiores, como o Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou o Supremo Tribunal Federal (STF).

São eles: o Núcleo Especializado do Segundo Grau Criminal, coordenado pelo defensor público de entrância especial João Luís Sismeiro. E o Núcleo Especializado do Segundo Grau Cível, cujo titular é o defensor público José Oliveira de Andrade.

Mais de 1850 recursos no último ano

Em 2016, a DPE-RO impetrou 1855 procedimentos recursais de segundo grau, de natureza variada, sendo 1333 na área cível e 522 procedimentos na área criminal. Os casos mais recorrentes da área cível envolveram questões relacionadas à saúde, como solicitação de medicamentos e procedimentos médicos que foram negados aos assistidos em primeira instância. Já na área criminal, os casos mais numerosos envolveram questões como tráfico de drogas, roubos e furtos.

“Nós garantimos ao assistido o princípio do segundo grau de jurisdição, por meio dos defensores do interior e da capital, que fazem os recursos para as instâncias superiores”, comenta o defensor público João Luís Sismeiro.

Revisões criminais

Segundo o defensor público João Luís Sismeiro, as revisões criminais são feitas quando o assistido consegue uma prova nova sobre o caso, mas o processo já transitou em julgado e não cabem mais recursos. “Dessa forma, ingressamos à 1ª instância, solicitamos ao juiz responsável o desarquivamento do processo final e, com base nele, apresentamos a revisão criminal que é julgada no TJ”, explica.

Segundo Sismeiro, muitos casos resultam em diminuição de pena e até em absolvição, pois muitas vezes o assistido é inocente e foi condenado injustamente. “Isso é um dos procedimentos mais importantes que o nosso núcleo realiza. Uma função imprescindível da Defensoria Pública”, comenta.


Compartilhar

Pular para o conteúdo