Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

DPE integra reunião de projeto de realização do auto de prisão em flagrante por videoconferência

Publicado em:

Defensor Público Eduardo Weymar (camisa rosa) esteve presente na reunião.

Defensor Público Eduardo Weymar (camisa rosa) esteve presente na reunião.

Na sexta-feira, 2, a Defensoria Pública de Rondônia (DPE-RO) esteve presente em uma reunião no gabinete da Secretaria de Segurança, Defesa e Cidadania do Governo do Estado (SESDEC), para participar de uma discussão acerca do projeto que busca implementar a realização do auto de prisão em flagrante (APF) por videoconferência em unidades policiais que não estão nas cidades-sede de plantões. Representando a DPE-RO estava o Defensor Público Eduardo Weymar, que atua nas Audiências de Custódia.

Autos de flagrantes redigidos à distância

O projeto mencionado acima é de autoria do Diretor do Departamento de Polícia do Interior de Rondônia (DPI), Arismar Lima, e propõe que o Delegado de Polícia, responsável pela redação do auto de prisão em flagrante, presida os depoimento das testemunhas e o interrogatório do autuado por videoconferência, sem precisar deslocar-se da Delegacia de Polícia na qual se encontra.

Segundo o autor do projeto, isso traria não apenas celeridade às lavraturas dos autos de flagrante, mas também permitiria ao Delegado de Polícia plantonista manter-se mais dedicado às investigações criminais, uma vez que não perderia tempo com deslocamento desnecessário.

Mapa mostra as sedes de plantões (computadores) e as comarcas que realizariam a lavratura de APF por videoconferencia.

Mapa mostra as sedes de plantões (computadores) e as comarcas que realizariam a lavratura de APF por videoconferencia.

Defensoria

Segundo o Defensor Público Eduardo Weymar, a medida pode ser benéfica a DPE, pois os plantões também do interior também se dão de forma regionalizada. “Além disso, será benéfico aos assistidos autuados em flagrante, pois o tempo de tramitação do procedimento de lavratura do APF diminuirá, possibilitando o contato mais ágil com a autoridade policial”.

O que muda, segundo o Defensor Público, é apenas a forma de interrogatório, “preservando-se assim todos os direitos da pessoa presa”, enfatiza.


Compartilhar