Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Jaru: DPE-RO inaugura nova sala de atendimentos na Casa de Detenção do município

Publicado em:

A Defensoria Pública de Rondônia (DPE-RO) inaugurou uma nova sala para atendimentos às pessoas presas do regime fechado da Casa de Detenção do município de Jaru. A sala funciona todas as quartas-feiras, das 7h30 às 13h30, prestando aos custodiados e internos informações solicitadas e assegurando o acesso a sua documentação e ao direito de entrevista com o Defensor Público atuante na comarca.

Segundo o Coordenador do Núcleo da DPE-RO em Jaru, Defensor Público Lucas do Couto Santana, a nova sala dispõe de instalações adequadas, material de expediente, computador e impressora, os dois últimos concedidos pelo Conselho da Comunidade, que também contribuiu com o apoio administrativo necessário para a instalação. “Houve também o apoio administrativo do Diretor da Geral da Casa de Detenção de Jaru, Fred Willian Santos, para um pleno atendimento dos presos”, comenta.

Direitos garantidos

Como explica Lucas do Couto, segundo a Lei de Execução Penal Brasileira, é dever do Estado que, em todos os estabelecimentos penais, exista um local apropriado destinado ao atendimento da pessoa presa pelo Defensor Público atuante na localidade.

“Nos artigos 81-A e 81-B da LEP está diposto que a Defensoria Pública velará pela regular execução da pena e da medida de segurança, oficiando, no processo executivo e nos incidentes da execução, para a defesa dos necessitados em todos os graus e instâncias, de forma individual e coletiva”, comenta.

Para ele, a proximidade da instituição com os custodiados facilita o acompanhamento da execução da pena e permite que eventuais abusos ou violências cometidas sejam mais rapidamente comunicadas e apuradas. “A existência de uma sala de atendimento permite realizar um trabalho de assistência direta à pessoa em situação de custódia, o que resguarda o exercício pleno dos direitos e garantias fundamentais, e zela pela correta aplicação da Lei, auxiliando no fortalecimento da Justiça”, finaliza.

 


Compartilhar