Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Após recomendação da DPE-RO, atlética acadêmica retira divulgação de festa que incita o estupro

Publicado em:

A Defensoria Pública do Estado de Rondônia (DPE-RO) realizou, na quinta-feira (9), uma recomendação a Associação Atlética Acadêmica Orlando Leite Carvalho (AAAOLC), conhecida como Atlética Muralha, para a retirada da divulgação e alteração do nome do evento de comemoração dos quatro anos de Atlética. Festa foi intitulada como ‘Arrancabaço’ em folders divulgados em Porto Velho.

Para a Defensoria Pública, termo que nomeava a festa fere a dignidade das mulheres, pois insinuam ou podem insinuar que as jovens da festa devem ser drogadas, dopadas e alcoolizadas ou estupradas, uma vez que, o “título passava a ideia de ‘arrancar o cabaço’, que remete à desvirginização de mulheres (“cabaço”) de forma forçada (“arrancar”), com a utilização de expressão chula”.

Após a recomendação, que também foi assinada pela Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão e Comitê Pró-equidade de Gênero/Raça do Ministério Público Federal (MPF), a AAAOLC, composta por estudantes de medicina, retirou os banners de divulgação da festa, agora alterada para o nome “Carneirada”.

O documento também foi destinado à casa noturna a ser sede do evento que, conforme recomendação da DPE-RO, também terá que disponibilizar canais ou mensagens para denúncias de abusos ou violência contra a mulher.

O Defensor Público Gilberto Campelo, que assinou a recomendação, relembra ainda que nesta semana foram celebrados os 12 anos da Lei Maria da Penha, importante lei de combate a violência à mulher.

“A intenção da recomendação é de buscar o respeito a dignidade da mulher, que cotidianamente é ‘objeticularizada’, desrespeitada na sua liberdade sexual e também vítimas de assédios diários. E o nome da festa era um alimento à cultura do estupro, que deve ser combatida na sociedade”, afirma o Defensor Público.


Compartilhar