Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Ji-Paraná: Defensoria age para que crianças autistas recebam tratamento com Canabidiol

Publicado em:

A Defensoria Pública de Rondônia (DPE-RO) vem atuando frente a casos de crianças autistas que necessitam da utilização do princípio ativo Canabidiol, derivado da planta Cannabis sativa, popularmente conhecida como maconha, para o tratamento de crises de epilepsia, que são comuns em pessoas com Transtornos de Espectro Autista (TEA).

Somente no município de Ji-Paraná, interior de Rondônia, a Defensoria Pública já garantiu o acesso ao tratamento com Canabidiol para sete crianças, por meio da importação diretamente dos Estados Unidos, do medicamento produzido com o princípio ativo.

Como explica o Defensor Público João Verde França, que atua no núcleo da DPE-RO em Ji-Paraná, a extração do princípio ativo é proibida em território brasileiro, uma vez que o cultivo e manutenção da maconha são criminalizados no país. “Dessa forma o Estado não possui este tipo de medicamento para oferecer às famílias”, explica.

Procurada pelas famílias, a Defensoria Pública do Núcleo de Ji-Paraná já ingressou na justiça com o pedido para nove crianças, sete delas já conseguiram o acesso ao tratamento. “Conseguimos judicialmente o custeio do tratamento para essas sete crianças, por meio do sequestro do valor necessário junto ao Estado, e dessa maneira as famílias puderam importar o medicamento com Canabidiol para o tratamento da epilepsia”, explica João Verde.

Depoimentos

A mãe Nágila luta para que sua filha receba o tratamento com Canabidiol.

A mãe Nágila luta para que sua filha receba o tratamento com Canabidiol.

Nágila, que é mãe de uma criança autista e diretora da Associação de Cannabis Medicinal de Rondônia (Acamero), elogia a atuação da DPE-RO. “A Defensoria tem sido parceira da associação e das famílias na luta pela obtenção do tratamento com Canabidiol. Eu, particularmente, enfrento grandes desafios no cuidado com a minha primeira filha, que apresenta uma desordem genética no gene DHX30, com quadro clínico de epilepsia”, relata.

“Não tenho condições econômicas de arcar com o tratamento e nem com as despesas de um processo jurídico para a obtenção do remédio. A DPE-RO tem me auxiliado com tudo isso”, afirma.

Os pais que já conseguiram o medicamento por meio da ação relatam os resultados alcançados com o tratamento. Carla, mãe de Igor (13 anos) destaca um aumento na cognição, percepção e parte motora. “Meu filho está até inscrito em uma categoria especial de corrida aqui em Ji-Paraná”.

Já Cheila, mãe de Ian (12 anos), também declara: “Meu filho diminuiu em 80% as crises epilépticas e o seu desenvolvimento cognitivo e social está a cada dia melhor, sendo possível até a sua inclusão escolar”. Ivanete, mãe de Gabriel (5 anos), afirma: “Meu filho diminuiu a irritabilidade constante, aumentou a concentração e passou a dormir melhor. Tinha noites nas quais não dormia”.

Dia de conscientização do Autismo

Dia 02 de abril é o dia mundial da conscientização do autismo, um transtorno global de desenvolvimento que acomete cerca de 2 milhões de pessoas no Brasil, e cerca de 70 milhões no mundo todo.

Geralmente, os autistas apresentam características em comum como fobias, dificuldades de aprendizagem e dificuldades de relacionamento, porém o autismo é único para cada pessoa, se apresentando em níveis diferentes de intensidade e sintomas. Algumas pessoas por exemplo desenvolvem o sintoma da Epilepsia, podendo apresentar surtos desde muito pequeno, ainda criança.

A utilização medicinal do princípio ativo Canabidiol, extraído da planta Cannabis Sativa, popularmente conhecida por maconha, é amplamente reconhecida por médicos e especialistas no tratamento dos surtos epiléticos de crianças autistas, além de promover uma melhora na sociabilidade da criança.


Compartilhar