Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Ji-Paraná: DPE garante visitas de familiares a adolescentes em medida socioeducativa

Publicado em:

A Defensoria Pública do Estado de Rondônia, por meio da atuação de seu Núcleo em Ji-Paraná, obteve, no último dia 11 de dezembro, decisão favorável do juízo à concessão de transporte intermunicipal gratuito a, pelo menos, dois familiares, não residentes no município, de adolescentes que estejam cumprindo medidas socieducativas no Centro de Atendimento Socieducativo da cidade.

A tutela de urgência, estabelecendo um prazo de 30 dias para o cumprimento da decisão, foi conseguida após a propositura de Ação Civil Pública (ACP) pela Defensoria Pública do Estado de Rondônia.

“A regionalização do Centro de Atendimento Socioeducativo fez com que adolescentes de vários municípios da região cumprissem a medida de internação em Ji-Paraná, distante de suas famílias. Ainda, a maioria das famílias desses adolescentes não possuem condições financeiras de custearem passagens para exercer as visitas”, explica a defensora pública Lívia Carvalho Cantadori Iglecias, responsável pela ACP.

Segundo a defensora pública, ao não permitir a convivência familiar ao adolescente estariam os sendo negados direitos fundamentais. Além de que “se a medida de internação busca a reeducação dos adolescentes, a ausência da família nesse processo prejudica ou, muitas vezes, até mesmo inviabiliza esse resultado”.

Para Lívia Cantadori, as visitas são inerentes à medida de internação e ao seu escopo. “Se os adolescentes cumprem a medida fora de seus municípios e longe de seus familiares por uma opção administrativa do Estado, eles devem ter seu direito à convivência familiar garantido”.


Compartilhar