Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Defensoria Pública promove Seminário sobre Transfobia, Raça e Gênero

Publicado em:

Em alusão ao Dia Nacional da Visibilidade das pessoas Trans e Travestis, dia 29 de janeiro, a Defensoria Pública do Estado de Rondônia, por meio do Centro de Estudos, do Núcleo de Promoção e Defesa dos Direitos Humanos e da Coletividade (Nudhc) e do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem), realizou na última quinta-feira, 26, um seminário para discutir sobre Transfobia, Raça e Gênero, com diversas convidadas e convidados das mais variadas áreas. O evento aconteceu no auditório da Defensoria Pública e foi transmitido online, por meio do canal do youtube da instituição.

Este foi o primeiro evento da instituição a contar com a equipe própria de tradução em libras, formada pelas estagiárias Denise Lopes e Millena Vitória, que realizaram a tradução simultânea durante todo o evento, promovendo a acessibilidade a pessoas com deficiência auditiva.

O evento foi iniciado com a apresentação da artista Renata Evans, membra cultural da Comunidade Cidadã Livre (Comcil), que apresentou uma performance da música La Vie em Rose a todas e a todos presentes. “Gostaria de saudar a todas e todos aqui presentes e expressar a importância de eventos como este para a visibilidade trans”, ressaltou a artista.

A mesa de abertura do evento foi composta pelo Corregedor-Geral, Marcus Edson de Lima; pelo Corregedor-Auxiliar, Victor Hugo de Sousa Lima; pelo Coordenador do Núcleo em Defesa dos Direitos Humanos e da Coletividade (Nudhc), Eduardo Guimarães Borges; pela Juíza da 1ª Vara Genérica de Colorado do Oeste, Miria de Nascimento Sousa; e pela Travesti, Coordenadora do Grupo COMCIL, Coordenadora Norte da Rede Trans Brasil, Coordenadora Norte da Rede Mulheres Travestis e Transexuais e Homens Trans vivendo e Convivendo com Hiv/Aids, Karen de Oliveira.

O Corregedor-Geral, Marcus Edson de Lima, realizou a abertura do evento. “É uma honra para mim participar desse evento e ver o desenvolvimento institucional da Defensoria Pública em forma de inclusão. Esses eventos que acontecem hoje sobre temas como a questão trans, de raça e de gênero, vem proliferando cada dia mais na Defensoria Pública de Rondônia, no sentido de divulgarmos e discutirmos as pautas e as trazermos para a sociedade rondoniense”, ressaltou.

A ativista Karen de Oliveira que participou da mesa de autoridades permaneceu à mesa para participar também com palestrante. “Bom dia a todas, todos e todes! É uma honra estar nessa mesa mais uma vez. Em alusão ao mês de janeiro, que é o mês da visibilidade trans de mulheres travestis, transexuais e homens trans, o grupo Comcil agradece a Defensoria Pública, justamente por esse apoio. A Defensoria Pública se tornou uma grande parceira nossa desde a primeira retificação de nomes que nós fizemos com apoio da instituição, e o maravilhoso dessa retificação é que não demorou nem um ano para que as meninas e os meninos trans fossem retificados e estivessem com seus documentos em mão. A gente percebe o quanto é importante quando as instituições começam a nos chamar para dentro delas e trazer essas políticas para serem implementadas”.

Palestras

Após o desfazimento da mesa de abertura, foi formada a mesa de palestrantes e mediador composta por: Josy Maria Alves de Souza, doutoranda em Língua Portuguesa-FCLAR (UNESP) e mestra em Letras (UNIR); Émerson Maranhão, jornalista, escritor, roteirista, comunicador e diretor de cinema; Karen de Oliveira, cujo curriculo foi descrito anteriormente; e por Gilberto Campelo Leite, Defensor Público do Estado de Rondônia e mediador do evento.

“É uma satisfação imensa poder participar desse evento e mediar a mesa com a Karen, com o Émerson e a Josy. Agradeço o convite feito pela Diretora do Centro de Estudos, Sivia Raskovich, e pela Coordenadora do Nudem, Débora Machado Aragão. E antes de passar a palavra aos participantes, queria fazer uma fala rápida e breve. Quero dedicar o evento de hoje a três mulheres travestis rondonienses que foram mortas pela violência e pela transfobia. Em 30 de janeiro de 2020, uma travesti de 25 anos foi morta a facadas no peito em Rolim de Moura: Wedylla Brenner Darack, dedicamos esse evento a essa travesti que foi morta pela transfobia. Dedico também esse evento à Karliane Vitória, de 21 anos, mulher trans rondoniense, que vivia em Brasília e também foi assassinada pela transfobia e pelo machismo. E dedico também esse evento à nossa Gisele Bündchen, a “Maravilhosa”, que ano passado faleceu de Covid, aqui em Rondônia. Ela ficou famosa, nacionalmente, ao usar a avenida Jorge Teixeira (Porto Velho) como passarela, ao vivo, para o Brasil inteiro em uma matéria jornalística do sbt, existindo uma história por trás do meme. Ela faleceu por descaso do último governo, aguardando atendimento médico. E eu dedico esse evento a essas três mulheres que foram mortas pela transfobia, pelo machismo, pelo descaso e pela ausência de políticas públicas direcionadas a essa população”, ressaltou o mediador.

Logo após a fala do mediador, as palestrantes fizeram suas exposições. O jornalista e diretor de cinema, Émerson Maranhão, também transmitiu a todas, todos e todes o documentário “Aqueles Dois” de sua autoria e aproveitou para divulgar o documentário “Transversais”, também de sua autoria, e que está disponível na plataforma de Streaming “Netflix”.

Ao final, foi aberto o espaço para perguntas e debates, sendo em seguida finalizado o evento. O evento ficou gravado e está disponível no Canal do YouTube da Defensoria Pública do Estado de Rondônia.


Compartilhar