Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Núcleo de Atuação Recursal Estratégica (NARE) obtém liminar junto ao STJ para revogar prisão de assistido

Publicado em:

O recém-criado Núcleo de Atuação Recursal Estratégica (NARE) da Defensoria Pública de Rondônia já demonstra resultados concretos em sua atuação frente aos Tribunais Superiores. Na última semana, a instituição obteve liminar favorável no Superior Tribunal de Justiça (STJ), revogando a prisão preventiva de um assistido réu primário e sem maus antecedentes.

“A decisão, de lavra do Ministro Sebastião Reis Júnior, foi publicada pouco antes do início das férias forenses no STJ e mostra um alinhamento com outros precedentes favoráveis à defesa criminal”, ressalta o coordenador do NARE, defensor público Jaime Leônidas Miranda Alves.

Segundo o defensor público, a prisão preventiva do réu, denunciado pelo crime de tráfico de entorpecentes, foi revogada por ausência de requisitos que a justificassem. “Não havia motivo para manter o réu preso, uma vez que se tratava de reú primário e sem maus antecedentes, o que descaracteriza a necessidade de um prisão cautelar”, pontua Jaime Miranda. “Quando o magistrado constata que as exigências legais não estão mais presentes, deve revogar a prisão ou substituí-la por medidas cautelares diversas’, explica.

Criação do NARE

O NARE foi criado, após aprovação pelo Conselho Superior de proposta do Defensor Público-Geral, Hans Lucas Immich, com o objetivo de fomentar a litigância recursal estratégica.

“Apesar de estarmos atuando há poucos dias, o NARE já obteve sua primeira vitória: conseguimos liminar no Supremo Tribunal de Justiça para revogar a prisão preventiva de assistido primário, sem maus antecedentes, denunciado pelo crime de tráfico de entorpecentes”, afirma o Defensor Público –Geral, Hans Lucas Immich.


Compartilhar

Pular para o conteúdo