Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Estudantes do IFRO visitam a Defensoria Pública para divulgar projeto AudioTrap voltado a pessoas surdas

Publicado em:

Na última quarta-feira, 13, a Defensoria Pública do Estado de Rondônia recebeu a visita de um grupo de alunas do Instituto Federal de Rondônia (IFRO) que se reuniram com a Ouvidora-Geral externa da instituição, Amanda Michalski e com a defensora pública Flávia Albaine Farias da Costa para a apresentação do projeto AudioTrap voltado a pessoas surdas. O grupo de alunas é formado por Maria Luiza, Angélica, Beatriz e Geovana, que estavam acompanhadas do professor Márcio Rodrigues Miranda.

As estudantes do IFRO são vinculadas ao programa POWER4Girls – Empower to Lead, uma iniciativa da embaixada e consulado dos EUA em parceria com o Instituto Gloria e com o apoio da Conselho Nacional das Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica (Conif). Por meio deste programa as estudantes utilizam a tecnologia para promover transformações sociais.
E é nesse sentido que o aplicativo AudioTrap está sendo desenvolvido pelas alunas. O aparelho permitirá que as pessoas surdas possam acompanhar a mudanças sonoras no ambiente a partir das vibrações sonoras emitidas.

Durante a conversa, a defensora pública Flávia Albaine, coordenadora da Comissão dos Direitos da Pessoa com Deficiência da ANADEP e membra suplente na Comissão Nacional de Educação Especial na Perspectiva Inclusiva, aconselhou ao grupo que procure a representação da comunidade surda de Rondônia, visto que isso contribuirá com a legitimação deste trabalho.

“É necessário que a comunidade surda seja incluída de modo a participar do processo de formulação de dispositivos que podem vir sim a se tornar políticas públicas voltadas a essas pessoas. Esse entendimento está de acordo com O Princípio do Nada sobre Nós sem Nós, que prevê que nenhuma decisão que afete a comunidade surda pode ser tomada sem sua plena participação”, ressalta Flávia Albaine.


Compartilhar

Pular para o conteúdo