Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

21 Dias de Ativismo: Defensoria Pública realiza Caminhada pelo Fim da Violência Contra a Mulher

Publicado em:

A Defensoria Pública do Estado de Rondônia encerrou neste domingo, 11, a Campanha de 21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres com a realização de uma caminhada e com a presença da unidade móvel da instituição.

Coordenada pela Diretora do Centro de Estudos e defensora pública, Késia Gonçalves, a equipe da Defensoria Pública realizou atendimentos e participou da Caminhada pelo Fim da Violência Contra as Mulheres, entregando panfletos informativos sobre ações de combate à violência de gênero.

“Estamos muito contentes com a realização desta ação, pois esse evento não apenas chama a atenção para a urgência do problema, mas também promove a conscientização e a mobilização da comunidade em busca de soluções efetivas. Ao unir pessoas em uma causa comum, a caminhada não apenas denuncia a violência, mas também destaca a importância da colaboração e da defesa dos direitos das mulheres”, ressalta a defensora pública Késia Gonçalves.

O Defensor Público-Geral, Victor Hugo de Souza Lima, também participou da caminhada que contou com a adesão de membras(os), servidoras(es) e estagiárias(os) da instituição, e de populares que se sensibilizaram com o ato.

O Defensor Público-Geral destacou o papel da Defensoria Pública como agente de proteção e defesa dos Direitos das Mulheres. “A Defensoria Pública tem como missão institucional proporcionar um espaço para a amplificação das vozes das mulheres vítimas de violência, promovendo a igualdade de gênero e buscando construir uma sociedade onde todas as mulheres possam viver livres de violência e discriminação”, conclui.


Compartilhar

Pular para o conteúdo