Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Assinatura de Acordo de Cooperação Técnica fortalece acesso à justiça em situações sensíveis envolvendo agentes de segurança

Publicado em:

A assinatura de Acordo de Cooperação Técnica entre a Defensoria Pública de Rondônia (DPE-RO) e o Governo do Estado nesta quarta, 20 de dezembro, representa um avanço no que diz respeito ao acesso à justiça em situações delicadas e sensíveis envolvendo agentes de segurança pública. Este acordo tem como objetivo promover a defesa dos integrantes da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros Militar e da Polícia Civil, em âmbito de investigação de fatos relacionados ao uso da força letal praticados no exercício profissional, conforme art. 14-A do Código Processo Penal e 16-A do Código de Processo Penal Militar.

A Lei nº 13.964/2019 estipulou a obrigatoriedade de defesa em sede de investigação policial, de forma a permitir que servidores vinculados às instituições do sistema de segurança pública possam contar com a assistência de um advogado(a) ou defensor(a) público(a) nos casos em que sejam investigados por fatos relacionados ao uso da força letal, praticados no exercício profissional, de forma consumada ou tentada.

O Acordo de Cooperação Técnica, ao estabelecer essa parceria entre as instituições de segurança e a Defensoria Pública, regulamenta o procedimento previsto em lei e reforça o compromisso com a garantia dos direitos individuais e o acesso à justiça para todos, mesmo em circunstâncias delicadas.

O Defensor Público-Geral, Victor Hugo de Souza Lima, esteve com o Governador de Rondônia, Coronel Marcos Rocha, e destaca: “É uma missão institucional da Defensoria Pública, dentro de sua esfera constitucional de atuação, promover a defesa nas investigações relacionadas ao uso da força letal, em atos praticados em serviço, ressalvados obviamente os casos em que a parte esteja devidamente acompanhada de um advogado ou advogada.”

Vale ressaltar que a atuação da Defensoria Pública é restrita aos casos de uso de força letal em serviço e ocorrerá apenas quando o profissional de segurança pública não constituir advogado de sua confiança, atuando, portanto, de forma subsidiária.

Fortalece, assim, o acesso à justiça, ao reafirmar o compromisso das instituições envolvidas em atuar de maneira responsável e comprometida com a transparência, legalidade e respeito aos direitos fundamentais de todos os cidadãos, inclusive daqueles que integram as forças de segurança pública.

Esse esforço conjunto tem como objetivo assegurar que todos os indivíduos tenham acesso à defesa e ao devido processo legal, promovendo assim uma sociedade mais justa e equitativa para todos.

Veja o vídeo da assinatura do Acordo no link.


Compartilhar

Pular para o conteúdo