Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Machadinho do Oeste: Em audiências concentradas, Defensoria Pública reavalia situação jurídica de 10 crianças e adolescentes

Publicado em:

No último dia 27 de novembro, a Defensoria Pública do Estado de Rondônia, por meio da atuação do Núcleo da instituição em Machadinho do Oeste, visitou e participou de audiências concentradas no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) do município, e no Abrigo de Crianças e Adolescentes e Secretaria de Educação do município de Vale do Anari.

Como explica a defensora pública Liz Vieira Machado, coordenadora do Núcleo da DPE-RO em Machadinho do Oeste, a audiência concentrada representa uma cerimônia solene liderada pelo magistrado responsável pela área da Infância e Juventude. Durante esse evento, promotores de justiça, defensores públicos, equipes técnicas forenses e de acolhimento, Conselho Tutelar e representantes de secretarias municipais se reúnem com o objetivo de reavaliar a condição jurídica e psicossocial de cada criança ou adolescente sob cuidado institucional.

Ao todo, como relata a defensora pública, foram discutidas e avaliadas a situação institucional de cerca de 10 crianças e adolescentes. “Fomos, presencialmente, para as audiências concentradas. Esse momento, na minha opinião, é muito importante, porque temos a chance de conversar de forma direta com a equipe multidisciplinar. São os profissionais da psicologia, do serviço social e as cuidadoras dos abrigos as pessoas que lidam diretamente com as crianças e com os adolescentes em situação de risco, por isso, precisamos ouvir com atenção o que essas pessoas têm a dizer. Existem vidas para além dos autos, por isso, é importante ir até lá, ouvir, aprender e acolher”, conclui.


Compartilhar

Pular para o conteúdo