Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Núcleo de Promoção da Igualdade Racial da DPE discute plano de ação contra intolerância religiosa com líderes religiosos de Rondônia

Publicado em:

A Defensoria Pública do Estado de Rondônia, por meio do Núcleo Especializado de Promoção da Igualdade Racial e Cultural (Nuerc), tem realizado uma série de ações visando a construção de um plano de combate à intolerância religiosa no estado de Rondônia.

As ações acontecem após denúncias de casos de intolerância contra crianças e adolescentes que professam religiões de matrizes africanas em escolas da rede pública de ensino.

O coordenador do Nuerc, defensor público Fábio Roberto de Oliveira Silva, ressalta que foram realizadas visitas a líderes de diferentes religiões para discutir o tema da intolerância religiosa de maneira integrada. Segundo ele, o objetivo é realizar uma ação de escuta dos líderes religiosos para a formulação de um plano de ação para combater a intolerância religiosa.

“Realizamos nesta quarta-feira, 7, um visita institucional ao terreno da Ialorixá Mãe Marinildes, para ouvir as demandas da promoção da igualdade racial e cultural em nosso estado, em especial as questões relacionadas à intolerância religiosa. O presidente da Fecauber (Federação dos Cultos Afros Religiosos Umbanda e Ameríndios do Estado de Rondônia), Marcelio Tenório, também participou do encontro”, ressalta Fábio Roberto.

O defensor público ressalta também que no dia 31 de janeiro, a equipe do Nuerc reuniu-se com o pastor e diretor do Colégio Adventista de Mirante da Serra, Enock Uchoa. Além disso, o Núcleo também já agendou visitas com lideranças do Islã e do Judaísmo. “O objetivo é continuar ouvindo outras lideranças religiosas ainda nesse primeiro bimestre”, comenta Fábio.


Compartilhar

Pular para o conteúdo