Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Com a negativa do tabelião, assistida pede apoio da DPE para alterar certidão de óbito do marido

Publicado em:

Defensor Sérgio Muniz afirma que a alteração é simples, não precisaria recorrer ao Judiciário

Defensor Sérgio Muniz afirma que a alteração é simples, não precisaria recorrer ao Judiciário

Diante da negativa do tabelião do cartório de registro civil do Município de Candeias do Jamari de não alterar na certidão de óbito o nome do local onde o corpo do marido de Valcivânia Freires de Souza, residente naquele Município, seria enterrado, levou a assistida a recorrer ao Núcleo da Defensoria Pública (DPE) que funciona no Shopping Cidadão, para garantir a mudança. O juiz da Vara de Execuções Fiscais e Registros Públicos deu parecer favorável a Valcivânia.

 

Por engano, a certidão informava que o corpo do marido da assistida seria enterrado em Cadeias do Jamari, quando, na verdade, o funeral ocorreria na Espanha, local onde o falecido nasceu.  O erro na certidão impedia que Valcivânia fizesse o translado do corpo. O defensor público Sérgio Muniz, coordenador do Núcleo da DPE, afirmou que a alteração é uma mera formalidade, que poderia ter sido feita pelo tabelião, sem  necessidade da intervenção da Justiça.

 


Compartilhar