Pular para conteúdo principal

DPE empossa defensora pública substituta; ela deverá assumir a comarca de São Francisco

Publicado em:

Silmara Borghelot: seis anos de estudos com o objetivo de ser defensora pública

Silmara Borghelot: seis anos de estudos com o objetivo de ser defensora pública

Silmara Borghelot, empossada na quinta-feira, 23, no cargo de defensora pública substituta, pelo subdefensor geral do Estado, Edvaldo Caíres Lima, deverá assumir em breve o Núcleo da Defensoria Pública do Estado na comarca de São Francisco do Guaporé. A solenidade de posse ocorreu na sede da instituição.

São Francisco do Guaporé está localizado a 632 quilômetros de Porto Velho, próximo a Costa Marques, Município que faz fronteira com a Bolívia. São Francisco possui cerca de 30 mil habitantes. Apesar do núcleo da DPE está funcionando nessa comarca, não existia defensor público atuando.

Ao dar as boas-vindas à empossada, Edvaldo Caíres afirmou que não tem na área jurídica missão mais nobre do que a desempenhada pelo defensor público, que é a de fazer o bem às pessoas. “Contamos com o seu empenho para ajudar a remar esse barco. Muitas vezes é preciso ir contra a corrente, mesmo assim a satisfação é imensa”, observou.

Silmara Borghelot falou de sua emoção em assumir o cargo. “Foram seis anos de estudos com o objetivo de ser defensora pública”, disse, acrescentando que não tinha palavras para demonstrar a sua felicidade em contribuir com o engrandecimento da Defensoria Pública. “Acompanho o trabalho desta instituição por meio da mídia”.

Em sua intervenção, o defensor público-geral do Estado, Antonio Fontoura Coimbra, afirmou que a Defensoria Pública só tem a ganhar com a contratação de pessoas com as características de Silmara Borghelot. “Comprometidas em levar Justiça aos menos favorecidos”.

Participaram da solenidade o corregedor geral da Defensoria Pública, Constantino Gorayeb, o corregedor auxiliar  Hélio Vicente de Matos, o presidente e o  vice-presidente da Associação dos Membros da Defensoria Pública (Amdepro), defensores André Vilas Boas e  Daniel Mendes de Carvalho, respectivamente, e demais defensores públicos.


Compartilhar