Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

DPE consegue adiar a reintegração de posse do bairro Universitário

Publicado em:

O Judiciário decidiu nesta sexta-feira,7, suspender  a reintegração de posse do bairro Universitário,  agendada para esta segunda-feira,10, até  que a liminar da ação proposta pela Defensoria Pública seja apreciada pelo Pleno do Tribunal de Justiça no dia 24 deste. O bairro está localizado na zona leste da Capital. São 350 famílias na área. O processo será votado pelo Pleno do TJ dia 24.

Na ação, o defensor público Guilherme Ornelas, designado para acompanhar o caso, pede para que o processo de reintegração de posse seja suspenso de imediato, e que a matéria seja delegada à competência de um juízo fundiário.

Ele argumenta ainda que somente o juízo dessa área terá condições de examinar a peça, realizar reuniões com as partes envolvidas e analisar todas as possibilidades de negociações, evitando conflitos. O defensor público citou como exemplo a desocupação do bairro Dilma Rousseff, ocorrido em 25 de junho, que resultou em embate entre ocupantes e policiais.

Na ação interposta, a Defensoria defende também que existem medidas preventivas  que podem ser adotadas antes do cumprimento forçado, e se mesmo assim não obtendo êxito, existem diversas orientações a serem observadas no cumprimento de mandados judiciais  de reintegração de posse coletiva, a fim de preservar os direitos sociais dos ocupantes.

O defensor público-geral do Estado, Marcus Edson de Lima, afirmou que a instituição  fará tudo que for possível juridicamente para que as famílias não sejam prejudicadas. De acordo com ele, apesar de a Defensoria Pública ter sido procurada pelos ocupantes  somente há dez dias, o defensor público Guilherme Ornelas  conseguiu êxito em seu pedido, “demonstrando a presteza na assistência jurídica aos menos favorecidos economicamente”.


Compartilhar