Para melhorar a sua experiência na plataforma e prover serviços personalizados, utilizamos cookies. Ao aceitar, você terá acesso a todas as funcionalidades do site. Se clicar em "Rejeitar Cookies", os cookies que não forem estritamente necessários serão desativados. Para escolher quais quer autorizar, clique em "Gerenciar cookies". Saiba mais em nossa Declaração de Cookies.

Pular para conteúdo principal

Após pedido do CNCG, Conselho Nacional de Justiça recomendará que distribuição de cartas precatórias seja feita pelos Tribunais

Publicado em:

Atendendo à solicitação do Conselho Nacional de Corregedoras e Corregedores Gerais das Defensorias Públicas Estaduais, do Distrito Federal e da União (CNCG), o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) recomendará aos tribunais, salvo o Supremo Tribunal Federal (STF), que realizem diretamente a distribuição de cartas precatórias nos feitos de atuação da Defensoria Pública.

O Pedido de Providências (PP) do CNCG, acolhido à unanimidade pelo CNJ, destacou que a transferência do ônus da distribuição das cartas precatórias à Defensoria Pública representa um obstáculo ao acesso à justiça, posto que as defensorias não possuem estrutura compatível com a do poder judiciário, havendo, inclusive, comarcas sem atendimento prestado pela Defensoria Pública.

O Conselheiro Márcio Luiz Freitas, relator do caso, argumentou que: “A convergência de entendimento do parecer ofertado pela Comissão Permanente de Democratização e Aperfeiçoamento dos Serviços Judiciários e dos julgados do Plenário do CNJ pela impossibilidade de atribuir à Defensoria Pública o ônus de realizar a distribuição das cartas precatórias demonstra a necessidade de o Conselho Nacional de Justiça editar uma recomendação para atender os preceitos constitucionais de acesso à Justiça e efetiva prestação jurisdicional”.

O presidente do CNCG, Corregedor-Geral da Defensoria Pública de Rondônia, Marcus Edson de Lima, destaca que a decisão proferida pelo CNJ afeta positivamente a tramitação de processos judiciais de usuários dos serviços da Defensoria Pública, eliminando um obstáculo ao efetivo acesso à justiça à população carente. “Mais uma vez o CNCG mostra a efetividade de um trabalho conjunto entre as corregedorias gerais e a importância do papel do colegiado para as Defensorias brasileiras. Essa decisão estanca um gravíssimo problema que se avizinhava para nossa instituição”.

Entenda

Carta precatória é uma forma de comunicação entre juízos que estão em comarcas distintas com o objetivo de praticar algum ato processual. As citações e intimações de pessoas que residem em outro estado da federação, por exemplo, são realizadas por meio de cartas precatórias.

Tribunais de Justiça de alguns estados impõem às partes do processo a tarefa de distribuir as cartas precatórias no juízo de destino, aquele em que o ato processual deve ser praticado. Diante disso, verificou-se que o princípio da cooperação foi utilizado como justificativa para atribuir a distribuição das cartas precatórias à Defensoria Pública.

Contudo, o Conselheiro Marcio Luiz Freitas entende que a Carta Precatória é um ato derivado do poder jurisdicional e do sistema de cooperação entre os órgãos do Poder Judiciário, devendo ser realizado, portanto, pelos servidores da justiça por ordem do juiz que preside a causa.


Compartilhar